domingo, 28 de fevereiro de 2016

Artigo Revista ClubeDelphi 166 - Construindo aplicativos Android no Delphi 10 Seattle

As últimas versões do Delphi têm acompanhado a evolução do mercado de aplicativos mobile, possibilitando o desenvolvimento de forma rápida – RAD (Rapid Application Development) para Windows, Android e iOS. Com o Delphi é possível desenvolver aplicativos multiplataforma, ou seja, com o mesmo código fonte é possível compilar o software para diversas plataformas e dispositivos móveis.Conhecer os recursos que a ferramenta disponibiliza para facilitar a criação de apps é importante para o desenvolvedor que deseja se manter atualizado e alcançar novos clientes com seus softwares, indo além do ambiente Windows, que tradicionalmente é o único sistema operacional alvo das aplicações Delphi. Autores: Jones Granatyr, Guinther Pauli, Jean Paul Barddal, Fábio Spak, Fábio Alexandre Taffe e Thiago Luiz Lauxen. Recentemente o Delphi passou de um IDE focado no Windows para tornar-se um que possibilita a construção de sistemas multiplataforma e também para dispositivos móveis. Essa mudança de perspectiva da Embarcadero com relação ao Delphi se deu principalmente devido ao grande crescimento dos dispositivos móveis, bem como dos sistemas operacionais Android e iOS. O Windows, que era considerado o sistema operacional mais popular, está agora atrás desses dois sistemas focados em dispositivos móveis. Os ambientes móveis possuem atualmente a liderança em termos de distribuição, sendo os mais comuns para necessidades de comunicação, jogos e entretenimento. Além disso, esses dispositivos estão se tornando cada vez mais populares para softwares empresariais, particularmente no que tange à integração com sistemas do tipo desktop já existentes em grande parte das empresas. Outra vertente nessa linha é o grande crescimento de uma revolução tecnológica chamada de Internet das Coisas, a qual possibilita que dispositivos dos mais variados tipos possam se comunicar e trocar informações. Vários autores consideram essa revolução como o futuro da computação e da comunicação. Neste cenário, o Delphi possibilita uma rápida transição para que os desenvolvedores que já estão habituados com a programação baseada em componentes e/ou orientada a objetos possam criar aplicativos móveis. Neste sentido, o IDE apresenta um ambiente bastante familiar para aqueles que já conhecem o Delphi e desenvolvem aplicativos para Windows. A diferença básica é que para desenvolver aplicativos Windows é utilizada a VCL (Visual Component Library), enquanto que para desenvolver software multidispositivo as aplicações devem ser baseadas nos componentes da biblioteca FireMonkey (FMX) (BOX 1), a qual gera código nativo e não depende das bibliotecas do Android ou iOS, por exemplo. Graças a essa biblioteca, o mesmo código fonte que rodará no Windows também funcionará em dispositivos móveis ou em qualquer outra plataforma em que o aplicativo for compilado. Esse fato torna o Delphi uma das ferramentas mais completas do mercado, pois um dos grandes problemas no desenvolvimento de aplicativos é tornar o código fonte independente de plataforma. Com o Delphi, nenhuma adaptação no código é necessária, ou seja, o aplicativo é programado uma única vez e pode ser instalado nas plataformas para as quais o Delphi oferece suporte. Com relação à Internet das Coisas, o Delphi também possibilita o desenvolvimento de aplicativos para os mais variados dispositivos, como o Google Glass. BOX 1. VCL x FireMonkey A VCL, tradicional biblioteca do Delphi, encapsula a API nativa do Windows para prover uma série de funcionalidades e componentes visuais compatíveis com várias versões do sistema operacional, mesmo as mais antigas e ainda bastante utilizadas. Já o FireMonkey é uma camada de abstração da interface gráfica que internamente é compilada de forma nativa para diversas plataformas. Essa é atualmente a melhor opção para aplicações que farão uso de recursos gráficos em HD/3D, no entanto, seu objetivo não é a criação de games e sim aplicativos comerciais com interface rica e/ou mobile/multiplataforma. Baseado neste cenário, o objetivo do presente artigo é apresentar como construir um aplicativo de cadastro no Delphi 10 Seattle, com um banco de dados local, instalando-o e testando-o em um dispositivo físico rodando o sistema operacional Android. Serão abordados recursos para realizar as operações básicas de cadastro, tais como inclusão, alteração, exclusão e navegação. Serão mostrados também dois recursos interessantes em aplicativos móveis, que são o compartilhamento dos dados do cadastro em redes sociais e a utilização do discador do aparelho para fazer ligações automaticamente de dentro da aplicação desenvolvida. Adicionalmente, será abordado como configurar estilos automáticos para melhorar o visual do aplicativo. Primeiramente será mostrado como gerar uma base de dados utilizando o SQLite (BOX 2), a qual estará encapsulada dentro do próprio aplicativo e não será necessário criar um Web Service ou alguma conexão remota à fonte de dados. Posteriormente, será apresentado como utilizar o Delphi 10 Seattle para a criação da interface gráfica, bem como as operações para manipulação dos registros da base de dados e as configurações para que o aplicativo seja instalado no próprio dispositivo. Para finalizar, serão mostradas as operações de compartilhamento, a efetuação de ligações telefônicas e a configuração de estilos. (acesso o site para continuar lendo, somente para assinantes)

Nenhum comentário :

Postar um comentário